¿Dos pesos y dos medidas? Maternidad y vida académica de estudiantes de doctorado en una universidad pública

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Silvana Maria Bitencourt http://orcid.org/0000-0002-3183-373X Cristiane Batista Andrade http://orcid.org/0000-0003-1441-9171

Resumen

El artículo analiza la relación entre la vida académica y la maternidad entre estudiantes de doctorado en diferentes áreas de una universidad pública. Se realizaron diez entrevistas a profundidad. Los resultados muestran que la comprensión de la maternidad entre las madres académicas implica, entre otras cosas: la elaboración de un nuevo uso del tiempo; culpa y responsabilidad por el cuidado de los niños; reproches a sí mismas por no corresponder al ideal académico impuesto por el contexto académico actual; falta de participación de los padres en el cuidado de los hijos; y sobrecarga para las mujeres. Es necesario pensar en políticas públicas que compensen a quienes decidieron trabajar en la esfera productiva.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Sección
Artículos
Biografía del autor

Silvana Maria Bitencourt, Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal do Mato Grosso / Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMT, Cuiabá/MT

Professora Associada do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal do Mato Grosso e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMT, Cuiabá/MT, Brasil. Doutorado pela UFSC; Pós Doutora em Ciências Sociais pela Universidade de Buenos Aires. Temas de pesquisa: Maternidade, Cultura Científica e Política de Produtividade. Corpo, saúde e cuidado, Sociologia da Educação e formação em Ciências Sociais. Autora dos livros: “Maternidade e Carreira” pela Paco Editorial (2013); “Existe o outro lado do rio? Um debate sobre gênero, educação e engenharia” pela Appris (2016); Organizadora do Livro: “Corpo, gênero e cuidados: perspectivas e desafios na contemporaneidade. 1. ed. Cuiabá: Editora UFMT, 2020.

Cristiane Batista Andrade, Departamento de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli, FIOCRUZ/RJ

Pesquisadora em Saúde Pública no Departamento de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli, FIOCRUZ/RJ, Brasil. Doutora em Educação e Pós-Doutora em Enfermagem pela Unicamp. Temas de pesquisa: trabalho, saúde e violência; trabalho de care, gênero e saúde; trabalho, gênero, migração e violências. Autora do Livro: O trabalho de cuidar e educar: gênero, saber e poder. Ed. Appris, 2015. Organizadora do Livro: “Corpo, gênero e cuidados: perspectivas e desafios na contemporaneidade. 1. ed. Cuiabá: Editora UFMT, 2020.

Citas

Abramo, Laís e Valenzuela, María Elena. (2016). Tempo de trabalho remunerado e não remunerado na América Latina: Uma repartição desigual. In A. R. de P. Abreu, H. S. Hirata, & M. R. Lombardi (orgs.), Gênero e trabalho no Brasil e na França: Perspectivas interseccionais (pp. 113-124). São Paulo: Boitempo.
Anais do Segundo Simpósio Brasileiro sobre maternidade e ciência. (maio de 2019). Porto Alegre, 16-17 de maio. Disponível em: https://doity.com.br/anais/simposiobrasileiromaternidadeeciencia. Acesso em: 08/06/2019.
Aquino, Estela M. (2006). Gênero e Ciência no Brasil: Contribuições para pensar a ação política na busca da equidade. In Presidência da República (org.), Pensando gênero e ciência: Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisas (pp. 11-27). Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.
Aquino, Estela M. (2009). Gênero e Ciência no Brasil: Contribuições para pensar a ação política na busca de equidade. In M. L. Heilborn, E. M. Aquino, R. M. Barbosa, F. I. Bastos, E. Berquo, & F. Rohden (orgs.), Sexualidade, reprodução e saúde (pp. 57-72). Rio de Janeiro: FGV Editora.
Araújo, Emilia Rodrigues. (2006). O doutoramento: A odisseia de uma fase de vida. Lisboa: Editora Colibri.
Bianchetti, Lucídio, Machado, Ana Maria Neto. (2009). Trabalho docente no Strictu Sensu: Publicar ou morrer! In F. Fidalgo, M. A. M. Oliveira, & N. L. R. Fidalgo (orgs.), A Intensificação do trabalho docente: Tecnologias e produtividade (pp. 49-89). Campinas: Papirus.
Biroli, Flávia. (2015). Responsabilidades, cuidado e democracia. Revista Brasileira de Ciência Política, 81-117. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-335220151804. Acesso em: 29 set 2017.
Bitencourt, Silvana Maria. (2011). Candidatas à ciência: A compreensão da maternidade na fase do doutorado. Florianópolis, SC: Universidade Federal de Santa Catarina, Doutorado em Sociologia Política.
Bitencourt, Silvana Maria. (2013). Maternidade e carreira: Reflexões de acadêmicas na fase de doutorado. Jundiaí: Paco Editorial.
Bitencourt, Silvana Maria. (2014). Os efeitos da política de produtividade para as novas gerações de acadêmicas na fase do doutorado. Estudos de Sociologia, 19(37), 451-468. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/6834. Acesso em: 24 ago 2018.
Bourdieu, Pierre. (1975). The specificity of the scientific field and social conditions of the progress of reason. Social Science Information, 14(6), 19-47.
Bourdieu, Pierre. (1999). A profissão de sociólogo: Preliminares epistemológicos. Petrópolis: Editora Vozes.
Bruschini, Cristina e Lombardi, Maria Rosa. (1999). Médicas, arquitetas, advogadas e engenheiras: Mulheres em carreiras profissionais de prestígio. Revista Estudos Feministas, 7(1), 9-24. Disponível em: https://doi.org/10.1590/%x. Acesso em: 15 março 2018.
Cole, Jonathan e Zuckerman, Harriet. (1991). Marriage, motherhood, and research performance in science. In H. Zuckerman, J. Cole, & J. Bruer (orgs.), The Outer Circle: Women in the Scientific Community (pp. 157-170). Nova York: W.W. Norton & Company.
Costa, Suely G. (2002). Proteção social, maternidade transferida e lutas pela saúde reprodutiva. Revista Estudos Feministas, 10(2), 301-323. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200003. Acesso em: 06 set. 2016.
Dantas, Carolina. (2019, 27 de março). Após pedido de cientistas, CNPq irá incluir período de licença maternidade e paternidade no currículo Lattes. Globo online. Secção Ciência e Saúde. Disponível em . Acesso em: 08/06/2019.
Dimenstein, Gilberto. (2006, 18 de setembro). A desconhecida lição das mulheres solteiras. Folha de São Paulo, Secção Jornalismo Comunitário. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/colunas/gd180906.htm. Acceso 22 de fevreiro de 2022.
Elias, Marisa Aparecida (2010). Sofrimento psíquico e trabalho: Afetividade e culpa na mulher trabalhadora. Disponível em: http://www.fafich.ufmg.br/atividadeseafetos/teste1/143/trabalho1.pdf. Acceso em: 18 agosto 2016.
Fabbro, Márcia Regina. (2006). Mulher e trabalho: problematizando o trabalho acadêmico e a maternidade. Campinas, SP. (Tese de Doutorado. Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas.
Felício, José Roberto Drugovitch. (2010). Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. In Presidência da República (org.), Pensando gênero e ciência: 2o Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisas (pp. 47-54). Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.
Ferreira, Luiz Otávio, Azevedo, Nara, Guedes, Moema e Cortes, Bianca. (2008). Institucionalização das ciências, sistema de gênero e produção científica no Brasil (1939-1969). História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 15 (suppl), 43-71. Disponível em: https://..org/10.1590/S0104-59702008000500003. Acesso em: 12 janeiro 2015.
Ferreira, Virgínia Carmo. (2004). Relações sociais de sexo e segregação do emprego: Uma análise da feminização dos escritórios em Portugal [Doutorado em Sociologia, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra]. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/479. Acesso em: 23 março 2016.
Ferreira, Virgínia e Lopes, Mônica. (maio de 2004). Repercussões das licenças por maternidade e por paternidade no local de trabalho: Entre o consentimento e a reprovação. Actas do V Congresso Português de Sociologia: Sociedades Contemporâneas - Reflexividade e Acção, 156-165. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/42414. Acesso em: 22 julho 2014.
Giddens, Anthony. (2005). Sociologia (4o ed). Porto Alegre, São Paulo: Artmed.
Guedes, Moema Castro, Azevedo, Nara e Ferreira, Luiz Otávio. (2015). A produtividade científica tem sexo? Um estudo sobre bolsistas de produtividade do CNPq. Cadernos Pagu, 45, 367-399. Disponível em: https://doi.org/10.1590/18094449201500450367. Acesso em: 27 maio 2017.
Hewlett, Silvia Ann. (2008). Maternidade tardia: Mulheres profissionais em busca da realização plena. Osasco: Editora Novo século.
Hirata, Helena. (2010). Emprego, responsabilidades familiares e obstáculos sócio-culturais à igualdade de Gênero na Economia. In: Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. 1ª Impressão. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2010. 88 p. 45-49.
Hirata, Helena. (2017). O que mudou e o que permanece no panorama da desigualdade entre homens e mulheres? Divisão sexual do trabalho e relações de gênero numa perspectiva comparativa. In E. T. Leone, J. D. Krein, e M. O. Teixeira, Mundo do trabalho das mulheres: Ampliar direitos e promover a igualdade (pp. 143-173). Campinas: Unicamp, IE. Cesit.
Hirata, Helena, Kergoat, Danièle. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300005. Acesso em: 15 junho 2017.
Keller, Evelyn Fox. (1996). O Paradoxo da subjetividade científica. In Dora Fried Schnitman (org.). Novos Paradigmas, cultura e subjetividade (p. 93-117). Porto Alegre, São Paulo: Artmed.
Krmpotic, Claudia Sandra e De Ieso, Lia Carla. (2010). Los cuidados familiares: Aspectos de la reproducción social a la luz de la desigualdad de género. Revista Katálysis, 13(1), 95-101. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-49802010000100011. Acesso em: 24 agosto 2017.
Leta, Jaqueline, e Martins, Flávio. (2008). Docentes pesquisadores na UFRJ: o capital científico de mulheres e homens. In Dilvo Ristoff et al. (org.). Simpósio Gênero e indicadores da educação superior brasileira (pp. 85-102). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
Long, J Scott. (1992). Measures of Sex Differences in Scientific Productivity. Social Forces, 71(1), 159-178. https://doi.org/10.2307/2579971
López, E., Ponce, M., Findling, L., Lehner, P., Venturiello, M. P., Mario, S., Champalbert, L., e Mario, S. (2011). Mujeres en tensión: La difícil tarea de conciliar familia y trabajo. Revista Semestral de Datos y Estudios Sociodemográficos Urbanos, 8(1), 7-25. Disponível em: https://www.academia.edu/64239047/Mujeres_en_tensi%C3%B3n_la_dif%C3%ADcil_tarea_de_conciliar_familia_y_trabajo. Acesso em: 19 abril 2017.
Luz, Madel Therezinha. (2008). Notas sobre a política de produtividade em pesquisa no Brasil: Consequências para a vida acadêmica, a ética no trabalho e a saúde dos trabalhadores. Política & Sociedade, 7(13), 205-228. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2008v7n13p205. Acesso em: 15 abril 2017.
Saitovitch, Elisa Bagio. (2006). Visão pessoal de uma física latino-americana. In Presidência da República (org.), Pensando gênero e ciência: Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisas (pp. 53-61). Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.
Santos, Gina Maria Gaio. (2007). O desenvolvimento de carreira dos acadêmicos: Uma análise centrada na relação entre o trabalho e a família [Tese de Doutorado em Organização e Políticas Empresarias]. Universidade do Minho.
Scavone, Lucila. (1985). As múltiplas faces da maternidade. Cadernos de Pesquisa, 54(2), 37-49.
Scavone, Lucila. (2001). A maternidade e o feminismo: Diálogo com as ciências sociais. Cadernos Pagu, 16, 137-150. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-83332001000100008. Acesso em: 13 abril 2017.
Scavone, Lucila. (2004). Dar a vida e cuidar da vida: Feminismo e ciências sociais. Editora UNESP. Disponível em: https://books.scielo.org/id/m96dh. Acesso em: 13 abril 2017.
Schienbinger, Londa. (2001). O Feminismo Mudou a Ciência? São Paulo: EDUSC.
Sedeño, Eulália Peréz. (2001). A modo de introducción: Las mujeres en el sistema de ciencia y tecnología. In E. P. Sedeño (Org.), La mujer en el sistema de ciencia y tecnología: Estudios de casos (pp. 9-17). Madrid: Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura.
Sorj, Bila, Fontes, Adriana, Machado e Danielle Caruso. (2007). Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 573-594. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300004. Acesso em: 19 agosto 2016.
Szapiro, Ana Maria e Féres-Carneiro, Terezinha. (2002). Construções do feminino pós anos sessenta: O caso da maternidade como produção independente. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(1), 179-188. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-79722002000100019. Acesso em: 25 maio 2016.
Tabak, Fanny. (2002). O laboratório de Pandora: Estudos sobre a ciência no feminino. Rio de Janeiro: Editora Garamond.
Tabak, Fanny. (2006). Sobre avanços e obstáculos. In D. Ristoff, I. Tavares, H. P. de Melo, J. Leta, F. Martins, M. R. Lombardi, M. G. de Carvalho, J. da Silva, & W. Weller (orgs.), Simpósio gênero e indicadores da educação superior brasileira (p. 27-40). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
Tavares, Isabel. (2007). A participação feminina na pesquisa: Presença das mulheres nas áreas de conhecimento. In D. Ristoff, I. Tavares, H. P. de Melo, J. Leta, F. Martins, M. R. Lombardi, M. G. de Carvalho, J. da Silva, & W. Weller (orgs.), Simpósio gênero e indicadores da educação superior brasileira (pp. 31-62). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
Vasconcelos, Márcia. (2009). Responsabilidades familiares. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de gênero, 36-43.